Asas

Demoramo-nos na sua beleza, Invejamos-lhe a liberdade. Questionamos a simplicidade das suas vidas! Não lhes sabemos os nomes. Desconhecemos-lhe a morada. Escutem! Sim, esse suave rumor. Quase imperceptível, mas, Persistente. São as vossas asas! Batem a medo. Reclamam liberdade. Querem levar-vos daí, Daí, onde já não há sorrisos Daí, onde …