Constelações Familiares: O Contador de Histórias e uma Surpresa no final do artigo ;-)

Constelações Familiares: O Contador de Histórias e uma Surpresa no final do artigo ;-)

Olá:)

Hoje quero partilhar convosco uma pequena história de Bert Hellinger, homenageando assim a sua vida, aquando da sua morte, homenageando assim também a obra tão rica que nos deixou. Para quem não sabe Bert Hellinger era também um contador de histórias, ele acreditava que as histórias tinham o poder de nos conectar a partes desconhecidas  nós mesmo, tinham a capacidade de abrir espaços sagrados, espaços esses contem todas as respostas, que contem toda a informação de como somos e de como actuamos na Vida.  As histórias tem a capacidade de nos fazer sonhar…eu sou uma fã de histórias, sou uma fã principalmente das histórias que vamos contando a nós mesmos ao longo da nossa vida.

As histórias em que acreditamos, as historias com que sonhávamos em criança e que  nos continuam a fazer sonhar têm informação valiosa para a nossa vida. Basta escutar com o coração, basta sentir.

É com o coração que sugiro que leias esta historia e ao ler que permitas sentir todas as sensações que surgem no teu corpo. Se sentires lê várias vezes…entre essas vezes fechas os teus olhos, respira fundo e contempla esse teu espaço interno.

Boa leitura…

A POUSADA 

Alguém caminha pela sua terra natal.

Ali tudo lhe parece familiar, e uma sensação de segurança o acompanha. Também há uma leve sensação de tristeza, pois muitas coisas também permaneceram ocultas para ele, que uma ou outra vez encontrou à sua frente portas fechadas. 

Às vezes ele quis deixar tudo e marchar para longe. Porém algo o retinha, como se estivesse lutando contra um desconhecido e não pudesse separar-se dele sem antes conseguir sua bênção. E assim sente-se dividido entre a vontade de ir adiante e a vontade de voltar, entre caminhar ou permanecer. 

Esse homem chega a um parque, senta-se num banco, reclina-se, respira profundamente e fecha os olhos. 

Deixa de resistir ao longo conflito e confia na sua força interior. Sente-se então tranquilo e como que se verga, qual um junco no vento, em sintonia com a diversidade, com o amplo espaço e com o tempo estendido. 

Enxerga a si mesmo como uma casa aberta.

Quem quiser entrar pode entrar; e quem chega traz algo, permanece ali um tempo e finalmente se vai.

Assim, nessa casa há um continuo movimento de ir e vir, de trazer e levar, de ficar e de partir. 

Quem chega pela primeira vez e traz algo novo, por permanecer se faz velho e finalmente chegará o tempo da sua partida. 

À casa aberta também chegam muitos desconhecidos que durante um bom tempo foram esquecidos ou excluídos.

Também eles trazem algo, permanecem um tempo e, finalmente, se vão. 

Também chegam os malvados, aos quais preferiríamos proibir-lhes a entrada; eles igualmente acrescentam algo, se incluem, permanecem um tempo e, finalmente, se vão.

Quem quer que venha sempre encontra outros, aqueles que chegaram antes ou os que virão depois. 

E como são muitos, cada qual tem que compartilhar. 

O que tem seu lugar, também tem seu limite. 

O que quer algo tem de se adaptar. 

O que tenha vindo pode desenvolver-se enquanto fica. 

Ele chegou porque os outros se foram e irá embora  quando ou outros vierem. Assim, nessa casa há tempo e espaço suficientes para todos. Estando assim sentado, o homem encontra-se à vontade em sua casa, sente-se familiarizado com todos os que vieram e com os que virão, com os que trouxeram algo e com os que trarão, com os que ficaram e com os que estão agora, com os que partiram e com os que partirão. 

Para ele, aquilo que antes estava inacabado agora está completo. Sente como se uma luta tivesse chegado ao seu final e ai se torna possível a despedida.

Ele espera ainda um pouco a chegada do momento propicio. 

Então finalmente abre os olhos, lança um último olhar ao seu redor, levanta e se vai…

Bert Hellinger 

No dia 3 de Novembro irei facilitar um “Workshop de Constelações – Análise de Script de Vida”, através das histórias. Num dia iremos abordar as histórias pessoais e perceber de que forma é que essas historias formatam e condicionam a nossa forma de viver…transformando o “peso” em Magia !

 Mais informações em: www.anasofiacorreia.pt ou geral@anasofiacorreia.pt

Vive a tua história!!

Ana Sofia Correia

Spread the love
  • 4
    Shares
0