“Encontro”, por Ana Rita Alves

28 anos. Podiam ser 15, 13, 6, 18…são 28 anos. É agora que me escrevo. Que te escrevo, também a ti. “Calhou” assim… Lembro-me, com as cores todas, da sensação de infinita energia, despreocupação, alegria (só porque sim), VIDA, que sentia, tinha e era, em criança. Talvez até aos 6 …

Mudar? Como se isso fosse possível…

Esta é tantas vezes a afirmação que mais oiço ao longo dos tempos – eu própria a fiz diversas vezes ao longo do caminho. Hoje, creio que não a faço tantas vezes. Talvez perante alguns desafios tenha essa tentação, mas hoje, com mais serenidade, vou abraçando – mesmo que com resistências …