Saúde pela Boca: Millet, o Cereal Terra

Olá olá!

Como vai o teu regresso á toca?

Desde o dia 22 de Setembro que entrámos no Outono.

O Outono convida-nos a parar e olhar para dentro. Saímos da explosão de energia do verão, momento em que desfrutámos dos dias longos na companhia das gargalhadas dos nossos amigos na liberdade das mangas curtas, e voltamos a casa – o Outono convida-nos a entrar em casa.

Dentro da nossa casa, dentro de nós, voltamos para refletir, digerir e organizar. Este momento para alguns é muito aflitivo. Para aqueles que têm a casa muito desarrumada! O verão enche-nos de distrações e música alta. Assim que esse som se baixa somos obrigados a ouvir a música da nossa alma.

Como é esta estação para ti?

Eu quero ajudar-te a tirar partido dela. A Natureza é cíclica. Assim como a vida. Acredito que, se me estás a ler, já sejas capaz de compreender que a experiência da vida é absolutamente inteligente. Navegamos em ciclos de crescimento que nos devolvem a possibilidade de atravessar desafios que ao serem ultrapassados resultam no aparecimento de uma melhor versão de nós próprio. Assim é o Outono: um desafio! Vamos tirar partido dele?

Precisas de entender, primeiro que tudo, que olhar para dentro de ti é uma necessidade. Fugir disso vai fazer com que qualquer desconforto que exista fique cada vez maior. Assim como uma dívida no banco. Sempre que negas o seu pagamento, ela rende juros… Até que um dia fica insuportável. No banco vira um pesadelo. Na vida vira uma doença. Uma doença física, uma doença emocional…

1º Passo: Eu aceito olhar para dentro de mim com presença.  

2º Passo: Permito-me ter chão para o fazer.

A amada Jaqueline Reyes – que escreve também para o Viver a Cores – sempre me ensinou que “cada um precisava de chão para fazer as suas transformações interiores”. Lembro-me sempre dela quando digo isto!

O Outono é representado pela energia Terra na visão Chinesa. As folhas caem, a árvores e toda a natureza entram em período de renovação, e toda a paisagem vive dos tons amarelos acastanhados.

Terra é chão. Enfia os teus pés na terra. Caminha descalço. Massaja os teus pés frequentemente nos pontos de contacto com o chão.

O órgão que mais precisa de cuidados neste momento para que possas ficar centrado, é o baço. Pâncreas e estômago que andam sempre a par com este na visão oriental. Estes são os grandes mediadores das tuas emoções. Nesta equação costuma entrar o vil açúcar. A Natureza convida-nos a encarar eventuais dores e desconfortos, e na nossa habitual resposta damos confiança ao sabor doce, já convidativo da estação.

Estamos intensos e no “demais”, a viver rápido demais, intenso demais, e tantas vezes sem destino. Então o convite é que abrandes. Sabor doce, sim, mas açúcar nem tanto. Vais ficar bem aliviado (drogado talvez…) mas nem por isso vais curar a ferida. Aconselho-te a que escolhas açucares mais interessantes que estes, sendo que não existem ideais… Sobre este assunto cada cabeça (baço, estômago e pâncreas) sua sentença e é preciso ser moderado.

A macrobiótica defende o consumo de fermentações de cereais integrais como a geleia de arroz, cevada ou milho. Os naturopatas consideram-nos com picos glicémicos elevados ainda. Vegans gostam de açúcar de côco… e não nos percamos no mel, açúcar de beterraba, dextrose, tâmaras, Xilitol, stévia….etc…

Moderação e preferência pelo natural e presente nos alimentos que consumimos.

“O Cereal Terra é o Millet. Milho painço.

O Cereal Terra é o Millet. Milho painço.

Um cereal um pouco doce, redondo, amarelo e muito versátil. Ele irá nutrir a energia terra. Acalmar o baço e acalmar o DJ que toca lá para a alma para lhe dizer “está tudo bem. Tudo controlado! Relaxa e sente.”

3º Passo: Utiliza a alimentação como apoio nesta fase tão desafiante!

Como?

Bom: já sabendo que o caminhar pela terra é fundamental, que o doce é necessário, e que o millet é o cereal da estação, junto-lhe alguns outros truques para tornar a experiência magnífica!

Consome os legumes: redondos, amarelos/laranjas, doces e que crescem junto da terra, desta forma nutrirás mais esta energia em ti.

Da época são comuns:

As abóboras (amo a hokaido, já portuguesa), as cebolas, as castanhas, a batata redonda, a batata doce, o inhame, o millet, as lentilhas cor de laranja, o milho, os alperces, as clementinas, e as romãs.

De que forma?

Cozinhados na forma de um estufado, e forno. Quente e reconfortante.

Janta cedo para acompanhar a luz do dia e para que fiques com mais tempo para digerir. Digerir a comida e as emoções que atravessas. Estás a organizar-te interiormente e isso precisa que o teu corpo esteja em sossego. Mastiga bem, deixa que as refeições sejam simples. Talvez tenhas este ano a hipótese de experimentar como apenas uma sopa é o suficiente para te preparar para dormir. Sugiro-te uma canja de millet:

Canja de Millet

Ingredientes

  • 2 fatias de abóbora Hokkaido
  • ¼ de cebola
  • 1 litro de água
  • azeite q.b.
  • 4 colheres de sopa de millet
  • cogumelos pleurothus
  • shoyu q.b.
  • hortelã
  • vinagre de ameixa umeboshi

Preparação

  1. Corte os legumes à sua escolha de forma idêntica (cubos)
  2. Coloque os legumes e o millet dentro da panela com 1L de água e deixe cozinhar por 20 minutos após a fervura.
  3. Nos últimos 8 minutos de cozedura adicione os cogumelos pleurothus desfiados.
  4. No final tempere com sal, a hortelã e um pouco de vinagre de ameixa umeboshi.

Opção: Para obter mais sabor e conquistar o paladar de alguém muito querido pode optar por saltear um pouco os legumes e o millet num fio de azeite no início. Bem como, saltear os cogumelos desfiados à parte num pouco de azeite e alho e temperá-los com um pouco de shoyu.

Quando a condição física for mais frágil, opte sempre por modos culinários mais básicos. O corpo precisa de simplicidade para se restabelecer.

4º Passo: (e por fim): Compreende que TODAS as emoções fazem parte da vida, e que não as experimentar significa não as viver. Deixa-te passar pelo processo, porque só assim poderás transformar aquilo que é hoje, no que queres ser amanhã. Deixa-te ver a tristeza. A frustração. A zanga. O desconforto.

Escrever, pintar, cantar, caminhar, meditar, podem ser uma ajuda fundamental no teu Outono.

Escolhe o que queres fazer com as tuas emoções que é para isso que elas servem. E escolhe também aquilo que queres sentir. Alimenta-te do que te faz bem e sê o teu melhor amigo/a.

Deixo-te ainda um remédio caseiro para te ajudar a acalmar as águas (emoções). Vai ajudar-te a ficar saciado de doce e a estar mais centrado.

Caldo de vegetais Doces:

Ingredientes

  • 1 L de água
  • 300 gr de cenoura
  • 300gr de abóbora
  • 300gr de couve lombardo
  • 300 gr de nabo
  • 300gr de cebola

Preparação

Escolher 4 dos 5 legumes acima cortados em porções idênticas e deixar ferver em 1L por 30 minutos.

Coar e beber morno.

Notas: Esta bebida dura por 3 dias no frigorífico e durante esse tempo ela deve ser consumida na base de uma dieta equilibrada e longe das refeições principais e /ou em jejum.

Até já guerreiro!

Vou voltar para a minha toca.

Abraço,
Alexandra Abranches

Spread the love
  • 5
    Shares