Constelações Familiares: Como acolher um novo membro no sistema familiar?

A chegada de um membro novo à família, de uma nova vida é sempre um desafio. Novas rotinas, novas exigências, novos ajustes e por consequência novos comportamentos. É uma situação que pode tanto trazer aproximação do casal, como por vezes um certo afastamento e é necessário ter em conta certos aspectos fundamentais para um bom funcionamento em família, para que a harmonia familiar não se perca entre “mudas de fraldas”, e “horas de biberon”. Como no meio de tudo isto manter o equilíbrio, que sabemos não ser fácil? Ou então  no caso de já existir um primeiro filho, como integrar o novo membro, nas rotinas existentes não só de casal, mas também com o “mano” ou “ mana” mais velha.

Hoje trago-te como através da perspectiva sistémica familiar podemos abordar este tema e de que forma pode contribuir para uma maior flexibilidade e leveza neste processo.

E a primeira palavra que surge, e a qual devemos dar muita atenção é ORDEM.

A perspectiva familiar rege-se por um conjunto de ordens, leis que operam no inconsciente e que se não forem respeitadas provocam a desequilíbrio e por consequência conflito. Por isso estes aspectos são necessários ter em conta.

Como colocar a Ordem em prática no acolhimento de um novo membro?

 

Se tivermos a falar de um primeiro filho, o casal para além de ter em conta todas as mudanças pelas quais irá passar, não deve colocar de lado que a sua relação de casal já existia antes de um primeiro filho. Mesmo não tendo hipótese de fazer planos a dois, deve ter presente em cada um e na sua alma o movimento que os levou a esse processo pelo qual estão a passar os dois: o AMOR. É este Amor que já existia que deve estar sempre presente. Mesmo no meio do caos existente podemos resgatar a ordem, (só existe ordem porque existe caos), então nem que seja por breves instantes olhem nos olhos um do outro dizendo Eu Vejo-Te, mesmo em silêncio assim estão a assumir que apesar de todos os factores reconhecem a presença do outro, reconhecem o Amor, e ao reconhecer o Amor estão a reconhecer a Ordem.

Se já existir um “mano” ou “mana” mais velha, as coisas podem complicar-se um pouco, porque para além de dar atenção ao relacionamento de casal é necessário gerir as emoções que vão surgindo nos próprios filhos. Uma situação que ajuda muito é enaltecer a Ordem junto dos filhos, reforçando internamente que ele/a será sempre o primeiro filho e que será o irmão ou irmão mais velha da criança que chega. Fazer o filho sentir-se como parte integrante do processo.

Deixa que o teu filho/a escolha algo para o irmão/irmã que chega e tendo em conta a idade, porque não deixar participar na escolha da decoração, etc…? Tudo pode ser ajustado tendo em conta também a idade em questão, mas partilho a ideia e conceito base. Estes pequenos actos ajudam a que a criança se sinta importante, se sinta como parte integrante. Reforça que ele/ela será o irmão/irmã mais velho/a e que isso lhe dá um papel e lugar fundamental na família, porque olhando a Ordem ele/a chegou primeiro.

E quando todos na família tem presentes para si os seus lugares e os papéis a cumprir, a Ordem impera e por consequência o Amor.

E é de Amor que são feitas as famílias.

Cada família tem a sua própria forma de ser e de encontrar essa mesma harmonia, por isso hoje deixo-te estes conselhos para que dentro da tua família encontres a Ordem e resgates o Amor. E se por acaso tiveres agora a passar por um momento de acolhimento a um novo membro, seja um primeiro filho ou não, não te esqueças que quando existe Amor tudo o resto é possível, e que esse Amor flui do casal para os filhos, então nutre a relação e os filhos irão agradecer por isso transformando o caos em ordem e ordem em Amor.

Ana Sofia Correia

Spread the love
  • 22
    Shares