Paula Castanheira: Creme de abóbora Hokkaido

Talvez fugido, talvez envergonhado, talvez disfarçado não sabemos. O certo é que o nosso sempre, desejado verão, tem-se feito muito difícil. O azul do céu deixou-se pintar de cinzento. Sem dúvida, que sem ele, o rei Sol, sentimo-nos com menos energia. O seu poder encantatório é vital para todos os seres vivos.

Mas há esperança!

Notícias de fonte credível, dão nota que os dias quentes e brilhantes estão mesmo aí a chegar. Abram portas e janelas, ponham o vosso melhor sorriso, vistam-se de gala, nada pode falhar, nesta receção!

A nossa beleza constrói-se de dentro para fora. Dificilmente, uma alimentação pobre e desequilibrada, conseguirá produzir boas gargalhadas e bem sabemos as maravilhas, que uma gargalhada pode fazer por nós!

A sopa é frequência diária cá por casa. Desde que o meu filho (que vai fazer 28 anos, para o mês que vem) começou a comer de colher, esse hábito não mais de cá saiu.

Quantos litros de sopa já foram feitos por cá?

Não faço ideia, mas seguramente, se lhes tivesse feito a contabilidade, ficaríamos surpreendidos.

Uma fusão de legumes frescos. Rica em água, proporciona refeições rápidas e saudáveis. E depois tem aquela coisa incrível: cada sopa é única!

Mas de verão, não apetece sopa quente, dizem muitos…então que se coma fria, mas que se coma!

Porque partilhar é o meu ‘desporto’ favorito, aqui estou eu, para vos escrever, sobre uma sopa simples, linda, cremosa e cheia de vitaminas. E agora espantem-se, esta minha sugestão pode até ser grande aleada, da nossa pele, ajudando a promover um bonito bronzeado.

As abóboras são nossas amigas e há-as para todos os gostos, tamanhos e feitios.

Abóbora ou jerimum – Fruto da aboboreira.

Já foi considerada alimento para animais, mas conseguiu conquistar a simpatia das cozinhas e hoje podemos dizer, que faz parte do dia-a-dia da maioria das pessoas.

Podemos cozinhá-la de muitas maneiras, tal é a sua versatilidade.

Compotas, bolos, estufados, assados, purés, suflés, sopas…

Portugal, é um grande produtor de abóbora, principalmente na região oeste e consegue até, exportar grande parte da sua produção.

Ao contrário do que pensei durante anos, ela pode consumir-se com a casca. Claro que se impõem grandes cuidados, na sua lavagem, antes de ser cozinhada. Este pequeno detalhe permite potenciar as propriedades deste alimento e facilitar a preparação. É que descascar abóbora não é seguramente, o trabalho mais agradável. 🙂

E podemos sempre, em alturas de maior excesso, congelá-la. Lava-se, abre-se, retiram-se as sementes, corta-se em pedaços e congela-se em pequenas doses.

Sabe tão bem na hora de usar, estar assim prontinha.

A sua casca, não deve ter manchas e devem ser pesadas, para garantir que a popa está em boas condições.

Depois de aberta, ou se cozinha, ou se congela, já que se deteriora rapidamente.

E agora vejam as inúmeras propriedades deste alimento.

Rica em vitaminas A, C, E e complexo B.

Rica em ferros, fósforo, cálcio, potássio e zinco

Ajuda na prevenção de doenças oncológicas

Ajuda na prevenção do envelhecimento da pele e graças à presença de caroteno, potencia um bronzeado saudável.

Pobre em calorias, é um ótimo aleado das dietas de emagrecimento.

As sementes que podem e devem igualmente ser consumidas, contêm triptofano, um aminoácido que atua na produção da serotonina, ajudando a controlar o sono e a aumentar o bom humor.

Porque esperamos?

Hoje a rainha é a abóbora Hokkaido. Rendondinha, de um laranja intenso, chega a fazer-nos até lamentar, o facto de termos de a partir!

Aviso que gosto de comida picante e descobri que a sopa, fica ainda melhor se ‘picar’

Ingredientes

Água cerca de 1,5-2 litros, a ferver (a quantidade depende, da consistência que quisermos para a nossa sopa)

Abóbora Hokkaido 1 (cerca de 1,5kg)

Cebolas médias 3

Malagueta 1 (sem sementes)

Pimenta e sal qb

Azeite 3 colheres de sopa

Sementes de abóbora ou girassol torradas

Raminho de tomilho limão e uns pés de cebolinho fresco

Preparação

Lava-se a abóbora, abre-se ao meio, retiram-se as sementes. Corta-se em pequenos pedaços e reserva-se.

Descascam-se as cebolas, lavam-se e cortam-se igualmente em pequenos pedaços. Numa panela, coloca-se o azeite a aquecer, de seguida, introduz-se a cebola e a malagueta. Mexe-se de vez em quando, até a cebola estar caramelizada. Acrescentam-se os pedaços da abóbora e a água. Tempera-se com sal e deixa-se cozinhar por 15-20 minutos. Desliga-se o lume e reduz-se tudo a puré, com a ajuda da varinha-mágica.

Retifica-se o sal, mistura-se pimenta a gosto e está pronta para saltar para o prato.

Na versão quente, é claro!

Já no prato, adicionam-se as sementes e as plantas aromáticas.

A nossa sopa de abóbora, fica muito cremosa e com uma cor linda!

Quanto ao sabor, fico à espera dos vossos testemunhos.

Quem disse que fazer sopa, dá muito trabalho?

E já agora deixo outra sugestão: Se quiserem preparar uma entrada, fria, colorida, saborosa e saudável, podem preparar este creme, um outro de espinafres e servir em camadas, dentro de pequenos copinhos. Usem a imaginação para decorar a vossa entrada.

Bom apetite!

Férias fantásticas

Paula Castanheira
Julho de 2019

Sê o primeiro dos teus amigos a partilhar esta página!
  • 6
  •  
  •  
  •